Skip to content

Novo Ensino Médio: entenda o que muda com a proposta aprovada pela Câmara

Os parlamentares chegaram a um acordo com o governo sobre a carga horária da formação geral básica do Novo Ensino Médio

 

A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (20) o projeto de lei que institui mudanças no Novo Ensino Médio. A proposta ainda deve passar pelo Senado Federal.

 

 

Após um acordo entre o ministro Camilo Santana e o deputado Mendonça Filho, relator do projeto, o aumento da carga horária da formação geral básica foi mantido. Esse era o principal desacordo entre o governo e os parlamentares.

 

 

Para estudantes que escolherem o currículo regular, a formação geral básica passa de 1,8 mil horas para o mínimo de 2,4 mil horas, como previa o texto inicial.

 

 

A carga horária total do ensino médio continua a ser de 3.000 horas somadas nos três anos, sendo cinco horas nos 200 dias letivos.

 

 

Biblioteca escolar

 

 

Para completar o currículo, os alunos devem escolher uma área de conhecimento para estudar como itinerário formativo nas demais 600 horas:

 

 

– Linguagens e suas tecnologias;

– Matemática e suas tecnologias;

– Ciências da natureza e suas tecnologias;

– Ciências humanas e sociais aplicadas.

– Cada escola deve ofertar ao menos dois itinerários, exceto aquelas que ofertarem também o ensino profissionalizante.

 

 

O que a Câmara mudou no Novo Ensino Médio

 

 

A proposta final incluiu mudanças para quem optar pelo ensino técnico. Inicialmente, o texto estabelecia a carga horária de 1,8 mil a 2,1 mil horas, dependendo do curso.

 

 

A Câmara instituiu então um total de 2,1 mil horas para a formação geral básica, com o adendo de que as redes podem usar até 300 dessas horas de forma articulada com o ensino técnico.

 

 

Dessa maneira, o currículo de disciplinas clássicas cai para até 1,8 mil horas.

 

 

O projeto de lei foi enviado pelo governo federal para o Congresso em outubro de 2023, visando alterar o Novo Ensino Médio aprovado durante o governo de Michel Temer.

 

 

O relator Mendonça Filho apresentou alterações à proposta do MEC (Ministério da Educação) no seu relatório, em dezembro.

 

 

Incluído como obrigatório no texto do governo, o ensino do espanhol passou a ser facultativo.

 

 

Outra emenda determina que a formação geral básica do ensino médio deve ser ofertada presencialmente.

 

 

Em casos excepcionais, no entanto, a educação à distância está liberada, como nas escolas em comunidades ribeirinhas e de difícil acesso. A proposta ainda deve seguir para análise pelo Senado.

 

 

 

Fonte: ND+

Compartilhe essa notícia

Navegue pelos posts!

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mensagem do dia

Ouça e faça o Download da nossa mensagem do dia!

Previsão do Tempo

Xaxim - SC, BR
13/04/24
26°C
chuva leve
Facebook
Instagram
WhatsApp Promoções
WhatsApp Pedidos de Músicas
Baixe nosso App