Skip to content

Mais de 1 milhão de brasileiros aguardam por perícia do INSS para obter benefícios

Mais de 1 milhão de brasileiros aguardam por perícia do INSS para obter benefícios

Número é 14% maior do que o registrado em dezembro de 2022 e, se o pedido não for avaliado no prazo de 45 dias, cidadãos podem recorrer à Justiça.

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) estabelece que, se um cidadão entrar com um pedido de perícia médica no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e esse pedido não for avaliado no prazo de 45 dias, ele pode recorrer à Justiça para que o pedido seja analisado. Entretanto, atualmente, mais de 1 milhão de brasileiros estão na fila à espera de perícias. O número é 14% maior do que o registrado em dezembro de 2022. Em entrevista à Jovem Pan News, Maria Faiock, que é advogada especializada em direito previdenciário, afirma que tem sido cada vez mais frequente a procura de pessoas para entrar com o pedido na Justiça. “O que observamos nos segurados do INSS, nos trabalhadores, é um extremo estado de carência, de abandono. Porque o órgão, o Instituto Nacional do Seguro Social, o INSS, deveria acolher essas pessoas num momento de doença, por exemplo.”

“A pessoa deveria procurar, ser devidamente orientada pelo funcionário a marcar a perícia, o INSS deveria cumprir o prazo que está previsto em lei de 45 dias para analisar e concluir esse pedido, o perito deveria ser mais atencioso e minucioso, tanto no exame como na verificação dos laudos. E o que se vê, na realidade, é o contrário”, explicou. Atualmente, são 2,9 mil peritos em atividade no Brasil, mas o número de profissionais já chegou a 4,5 mil. Das 1,6 mil agências do INSS, apenas 700 têm peritos. A Associação Nacional dos Peritos Médicos diz que 30% dos pedidos poderiam ser descartados porque usam CPFs de quem não trabalha, crianças ou aposentados, por exemplo. A entidade defende a adoção emergencial do atestado médico para reduzir a fila, como já foi feito no passado.

 

Um exemplo do problema é o de Rosilda da Silva Rocha, que sofre com psoríase. Por causa da doença, que não tem cura, ela chegou a ficar seis meses na cadeira de rodas. De quatro anos para cá, ela não consegue trabalhar porque, se fizer algum esforço, fica toda inchada. Desde o ano passado, Rosilda está aguardando uma nova perícia no INSS, mas ainda não tem data prevista para isso acontecer. “Fico desempregada, tomo muito remédio, não consigo trabalhar. Se eu começo a fazer uma comidinha, já começa a doer as mãos, começa a inchar tudo. É muito difícil. Não sou casada, sou solteira, moro com uma irmã. Aí é muito difícil”, relatou Rosilda.

 

A reportagem também mostrou a situação de Iracildo Faustino Rodrigues, que era porteiro e, por causa de um acidente de carro em 1994, perdeu a visão do olho esquerdo. Desde então, ele enfrenta vários problemas para conseguir trabalhar e passou por uma perícia médica em novembro do ano passado, quando foi reprovado. Agora, tem um novo agendamento em outubro deste ano e espera que o tratamento recebido no INSS seja diferente. “Ele (perito) só chega lá, fica batendo lá no computador e a gente fala e ele nem olha, nem olhou o laudo que eu levei. Eu tenho todo o laudo comprovando a minha deficiência.” Devido ao problema da fila, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) decidiu exonerar o presidente interino do INSS, Glauco Andre Wamburg, após apenas cinco meses de mandato. Para assumir a presidência do órgão de forma permanente, o escolhido foi o atual diretor de orçamento, finanças e logística do INSS, Alessandro Stefanutto.

 

Fonte Jovem Pan

Compartilhe essa notícia

Navegue pelos posts!

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Escolha seu streaming

Mensagem do dia

Ouça e faça o Download da nossa mensagem do dia!

Previsão do Tempo

loader-image
Xaxim - SC
11:13, jul 15, 2024
temperature icon 12°C
nublado
Humidity 93 %
Wind Gust Wind Gust: 6 Km/h
Clouds Clouds: 100%
Sunrise Sunrise: 07:17
Sunset Sunset: 17:53