Skip to content

Caso Daniel Alves: jogador ejaculou dentro de vítima, que sofre de ansiedade, diz amiga em 1º dia de julgamento na Espanha

Preso desde janeiro de 2023, ex-jogador é acusado de estuprar mulher em uma boate de Barcelona. Julgamento durará três dias e ouvirá 28 testemunhas. Jovem que o acusa também falou nesta segunda em sala reservada. Alves pediu para mudar data de seu depoimento e será ouvido apenas na quarta-feira (7).

 

 

Uma das amigas da jovem espanhola que acusa o ex-jogador brasileiro Daniel Alves de tê-la estuprado em uma boate em Barcelona afirmou nesta segunda-feira (5) que Alves ejaculou dentro da vítima no momento do estupro e que, antes, teve um comportamento agressivo.

 

 

 

O depoimento da amiga da acusadora foi dado à Justiça durante o primeiro dia do julgamento de Alves, que acontece até quarta-feira (7), pouco mais de um ano após o brasileiro ter sido preso de forma preventiva pela acusação, também em Barcelona.

 

 

 

A amiga da vítima foi a primeira das 28 testemunhas convocadas para depor nas três sessões do julgamento. De acordo com a imprensa espanhola, que acompanhou o depoimento da jovem em uma sala reservada do Tribunal onde ocorreu a sessão, ela chorou bastante durante a fala e disse que a amiga ficou em choque após, segundo ela, ter sido estuprada por Alves.

 

 

Desde então, afirmou, a jovem sofre de ansiedade e tem de tomar antidepressivos.

 

 

Ainda segundo o relato, a vítima relatou à amiga e a uma prima que também a acompanhava na boate que o jogador a penetrou à força e ejaculou dentro dela durante a agressão – em abril do ano passado, análises de DNA encontraram restos de sêmen de Daniel Alves na mulher, e o exame fez com que Alves mudasse sua versão e admitisse que houve penetração (leia mais abaixo).

 

 

 

Em um primeiro momento, disse ainda a amiga, a jovem não quis denunciá-lo por medo que ninguém acreditasse, ainda de acordo com o relato acompanhado pela imprensa.

 

 

 

No entanto, ela mudou de ideia após se acalmar, e pediu que os funcionários da boate acionassem o protocolo de casos de agressão sexual existente na prefeitura de Barcelona.

 

 

 

A defesa de Alves não se pronunciou após o depoimento. O cronograma do julgamento previa também a fala do brasileiro, mas, na sessão, sua defesa pediu para que ele fosse ouvido somente no último dia, na quarta-feira. A juíza acatou o pedido.

 

 

Ainda não há previsão de data para a sentença sobre o caso.

 

 

Defesa alega dívida

 

 

 

Também na sessão desta segunda, a defesa de Daniel Alves alegou que o jogador está endividado

 

 

 

Julgamento

Julgamento de Daniel Alves — Foto: Jordi BORRAS / POOL / AFP
Julgamento de Daniel Alves — Foto: Jordi BORRAS / POOL / AFP

Durante a sessão desta segunda, a jovem que acusou Alves prestou depoimento na sessão desta segunda por cerca de uma hora — não havia confirmação de que ela participaria do julgamento até o início da sessão.

 

 

Acompanhada de psicólogos, ela falou aos juízes na mesma sala em que o brasileiro estava, mas os dois não tiveram contato visual.

 

 

Sua voz foi destorcida para proteção, e a imprensa foi proibida de acompanhar o depoimento — desde o início do caso, a juíza responsável pelo julgamento proibiu a divulgação da identidade e de imagens da jovem. Segundo a imprensa espanhola, com base em fontes judiciais, a jovem manteve sua versão original, a de que foi estuprada pelo brasileiro.

 

 

 

Já Alves, que pelo cronograma inicial do julgamento falaria já nesta segunda-feira, pediu para que seu depoimento fosse adiado para quarta-feira, após todas as testemunhas fossem ouvidas. O pedido foi acatado.

 

 

 

Esta foi a primeira vez que ele apareceu publicamente desde que foi preso, em 20 de janeiro de 2023.

 

 

 

No início da sessão, a advogada de Daniel Alves, Inés Guardiola, afirmou que o jogador se diz vítima de um “tribunal paralelo”, feito, segundo ele, pela opinião pública. A defesa pediu a anulação do julgamento, alegando que a juíza responsável pelo caso não aceitou que um segundo perito examinasse a vítima.

 

 

 

 

Guardiola solicitou também que novos testes fossem realizados e, só depois disso, que o julgamento fosse retomado. A juíza não acatou o pedido, e a Promotoria contestou na sessão que todos os direitos do acusado foram preservados.

 

 

 

A mãe de Alves também participou do julgamento. Lucia Alves, que foi a primeira a chegar ao Tribunal, é uma das 28 testemunhas convocadas para falar no caso.

 

 

 

O julgamento ocorrerá até a próxima quarta-feira (7). As sessões terão depoimentos de Alves e de 28 testemunhas que estavam na boate, Sutton, em Barcelona, na noite em que, segundo a acusação, o estupro ocorreu, em 30 de dezembro de 2022.

 

 

 

As testemunhas foram indicadas para participar do julgamento tanto pela defesa quanto pela acusação.

 

 

 

Seis testemunhas prestarão depoimento nesta primeira sessão, entre elas, a mãe de Daniel Alves.

 

 

As outras 22 testemunhas falarão no dia seguinte.

 

 

Já a última sessão, em 7 de fevereiro, será dedicada a trâmites periciais, que entregarão um relatório e conclusões.

 

 

 

 

 

 

A juíza Isabel Delgado Pérez, que julga o caso, ficará responsável por elaborar a sentença. Ao g1, o tribunal disse que ainda não há prazo para que saia a sentença final ao jogador. Até lá, Daniel Alves permanecerá em prisão preventiva, segundo a decisão atual da Justiça.

 

 

 

O Ministério Público espanhol pede nove anos de prisão ao jogador. A defesa da mulher que denunciou o estupro queria uma sentença maior, de 12 anos de prisão.

 

 

 

O que diz a acusadora

 

 

 

A mulher que acusa Daniel Alves de estupro afirma que, na noite em que, segundo ela, o estupro ocorreu, estava com uma amiga e uma prima na área VIP da boate Sutton e que já tinha dançado com o jogador e amigos dele. Depois disso, diz ela, o atleta insistiu para que a jovem o acompanhasse até um outro recinto.

 

 

 

A jovem alega que achava que, nesse segundo espaço, havia uma nova área VIP. Ao entrar, no entanto, notou que estava num banheiro pequeno, que só tinha um vaso e uma pia. Lá, segundo a acusadora, aconteceu o estupro.

 

 

 

Tentativa de acordo

 

 

 

Em uma corrida contra o tempo e a uma semana do início do julgamento, a defesa do brasileiro ainda tentaram um acordo com advogados da mulher antes do julgamento, segundo fontes dos dois lados ouvidas pela rede de TV espanhola Telecinco.

 

 

 

Caso houvesse um acordo, as acusações seriam retiradas, e o julgamento, cancelado.

 

 

 

Segundo a Telecinco, citando fontes da acusação, as conversas sobre um acordo chegaram a ser protocoladas na Justiça, mas a divulgação de imagens da jovem pela mãe de Daniel Alves esfriaram as negociações.

 

 

Assim, ambas as partes chegaram ao tribunal nesta segunda sem o acordo em mãos.

 

 

No fim de dezembro de 2023, Lucia Alves, mãe do jogador, publicou em suas redes sociais um vídeo com imagens de uma jovem que afirmou ser a espanhola que alega ter sido estuprada pelo brasileiro.

 

 

 

A Justiça de Barcelona havia proibido a difusão de informações e imagens da jovem enquanto o processo corre.

 

 

 

A jovem anunciou que vai processar a mãe do jogador, de acordo com o jornal espanhol “El Periódico”

 

 

Alves, ex-jogador da seleção brasileira é acusado de agredir sexualmente uma mulher dentro de uma boate de Barcelona em dezembro de 2022. Ele nega.

 

 

 

Na Espanha, denúncias de estupro são investigadas sob a acusação geral de agressão sexual, e as condenações podem levar a penas de prisão de 4 a 15 anos.

 

 

 

Desde janeiro, quando foi ouvido pela polícia pela segunda vez e se contradisse, Daniel Alves está em prisão preventiva, sob a alegação de risco de fuga. Ele não tem direito a fiança e seguirá no mesmo presídio, nos arredores de Barcelona, enquanto aguarda o julgamento.

 

 

 

O brasileiro mudou sua versão pelo menos três vezes.

 

 

 

Na primeira vez em que falou sobre o caso, em um programa do canal de TV Antena 3, da Espanha, ele afirmou que nem sequer conhecia a denunciante. “Nunca vi essa senhora na vida”, disse, na ocasião. Essa entrevista foi feita no início de janeiro de 2023.

 

 

Dias depois, em um primeiro depoimento à polícia, ele disse que entrou no banheiro junto com a espanhola, mas negou que algo havia ocorrido.

 

 

Em 20 de janeiro, convocado para um segundo depoimento depoimento em uma delegacia de Barcelona, quando foi preso em flagrante, Alves disse que a jovem praticou sexo oral nele, porém de forma consensual. Ele mudou a versão ao ser confrontado pela polícia com imagens da boate.

 

 

 

Em 17 de abril de 2023, já preso, Alves declarou à juíza responsável pelo caso que manteve relações sexuais consensuais com penetração – àquela altura, exames periciais haviam encontrado sêmen do ex-jogador na espanhola. O brasileiro argumentou ter mentido, em um primeiro momento, para ocultar da esposa a relação extraconjugal, a modelo espanhola Joanna Sanz.

 

 

 

Em janeiro deste ano, a imprensa espanhola afirmou, com base em fontes da defesa, que Alves vai oferecer uma quinta versão em depoimento na quarta-feira, alegando que ele estava embriagado e, portanto, sem as suas faculdades preservadas.

 

 

 

A juíza do caso também determinou que Daniel Alves precisará pagar 150 mil euros (cerca de R$ 798 mil) a jovem para cobrir eventuais danos e prejuízos.

Fonte G1

Compartilhe essa notícia

Navegue pelos posts!

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mensagem do dia

Ouça e faça o Download da nossa mensagem do dia!

Previsão do Tempo

Xaxim - SC, BR
04/03/24
21°C
nublado
Facebook
Instagram
WhatsApp Promoções
WhatsApp Pedidos de Músicas
Baixe nosso App